quarta-feira, 27 de maio de 2009

Quique das Flores

A partir de hoje não abordo mais o assunto Quique Flores até estar definitivamente resolvido.
Quer ele fique ou não, certamente uma das partes ficará contrariada. Para mim, já não está em causa a sua continuidade, ou saída, mas sim a tristeza de continuar a ver fracas atitudes.
Sou defensor de Quique, mas compreendo que a estabilidade sem objectivos cumpridos é uma estabilidade frágil e ao mínimo desaire iriam saltar dos bolsos os lenços brancos da Renova, essa forte contestação... portanto, acredito que ele não fica no SLB.

"Se Quique ficar, isso é uma espécie de golpe de Estado contra Vieira. Se Quique sair, o custo financeiro é tão alto que Vieira fica mais uma vez associado a um negócio ruinoso".

8 comentários:

Duque de Loulé disse...

Não ponho em causa o que LFV já fez pelo SLB, mas se ele não é um homem do futebol, entregue a pasta a quem perceba disso... mas não interfira.

Saudações Benfiquistas

Mimo Azul disse...

:( está complicadooo
Por mim ficava e ponto!

bjca gloriosa

Carlos Machado Acabado disse...

Se o 'Quique' ficar, é o "fim da picada"...
COMO é que ele pode ficar, depois de saber que não tem a confiança "política" do Director Desportivo e do Presidente?
COMO?
Não é possível!
É como se lhe dissessem: "Ficas mas não é por nós te querermos ou por confiarmos em ti: ficas porque... tem de ser, pronto!..."
Isto, do ponto de vista quer desportivo, quer empresarial, é um completo absurdo e não abona NADA o modo como foi conduzido todo o processo de um funcionário que, de facto, não serve, não cumpre, não rende.
Nós, portugueses, temos, de facto, o hábito (ou o vício?...) do politicamente correcto que, neste caso, manda dizer: "coitadinho do treinador, sempre dependente dos resultados etc., etc.!"
Mas, oh! Meu Deus! Alguém, alguma empresa de gente no seu juízo perfeito, contrata, por exemplo, um vendedor para NÃO vender?
Um médico para deixar morrer os doentes?
Um professor para não ser capaz de transmitir conhecimentos?
COMO é que diabo se há-de medir o valor de um treinador de futebol?
Pelos torneios que PERDE?
Pelos erros que comete no modo como põe a equipa a jogar?
Pelas contratações desastradas que avaliza?
Pelos bons jogadores que deixa no banco, aqueles que (para azar dele e das opções dele!) jogando "meia-dúzia" de jogos, quase ganham a "bola de prata" ou lá como é que se chama agora o troféu do melhor marcador?
É possível dizer de um desses treinadores que é óptimo... tirando o "pormenor" de não saber pôr a equipa que treina a jogar, de baralhar os lugares dos jogadores todos, de deixar no banco os melhores além de perder os torneios todos em que participa?...
Que diabo!...
Haja bom senso, não?!
Eu não conheço o 'Quique' de lado nenhum, não gosto nem deixo de gostar dele dele (ou de outro qualquer que venha treinar o meu Clube) apenas desejo que propicie com o seu trabalho boas exibições e bons resultados.
ESSA é, para mim, a medida exacta do seu valor!
Não conheço outra!...
E, medido por essa, o 'Quique' é, de facto, o que se chama um flop "perfeito", total!...
Desafio quem quer que seja a demonstrar o contrário e a provar quer o Clube faz bem se mantiver um verdadeiro perito em... insucessos e más soluções de campo--e até FORA dele--ao seu serviço...
Estabilizar o fracasso pode ser "estabilizar", agora ser desejável... bem...

Maestro disse...

Ou seja basicamente o problema é o vieira.

Ele não conseguiu ficar fora do futebol e ha relatos por aí que dizem que Rui Costa foi afrontado por vieira.

Não me admirava que o Rui se demitisse.

Abraço Benfiquista a todos

Carlos Machado Acabado disse...

Deixem-me só acrescentar isto: eu só estou aqui, contrariamente ao propósito que manifestei de me abster de qualquer intervenção ou manifestação de índole desportiva se o 'Quique' ficasse, porque julgo poder concluir do que já veio a público e das razões pelas quais acredito que veio que ele não fica.
Acredito (quero acreditar!) que a carta para a CMVM teve de ser enviada por razões tácticas e que o seu conteúdo não corresponderá ao projecto efectivo, real, da SAD.
Por outras palavras: porque tenho ainda esperança de que o equívoco-Enrique Sánchez Flores não vai, tão inútil (ou tão perversa! Tão suicidária!) quanto absurdamente, prolongar-se mais um ano...
O Vieira pode ser desconhecedor das subtilezas do futebol e o Rui Costa inexperiente delas a este nível mas não creio, sinceramente que qualquer deles seja tolo e muito menos masoquista...
Acredito na versão que dá o Clube como movimentando-se (ou, pelo contrário, para já, NÃO o fazendo) na perspectiva de que surja MESMO um qualquer dos tais inúmeros convites que o 'Quique' diz (ou imagina...) ter de não-sei-quantos clubes em Espanha--e não só...
O problema é: que mercado haverá hoje, em Espanha ou fora dela, para um técnico que não é capaz de ganhar ao Rio Ave português e que perde com o Trofense, clube que até acabou por descer de divisão?...
Pois... o problema é esse...

Sou de um Clube Lutador disse...

Caro Carlos Machado Acabado,

Antes de mais fico satisfeito por não ter deixado de falar do Benfica.
Eu não lhe consigo provar que QF fez um bom trabalho. A época foi um fracasso.
Compreendo perfeitamente o seu ponto de vista e já percebemos que temos ideias opostas neste tema.
Todos os anos tenho a esperança em ser campeão, mas a falta de paciência no Benfica… desmoraliza. Tudo é a pensar no hoje e amanhã, mas não no depois de amanhã. Não se deixam amadurecer os projectos. Ao vir agora um treinador e que seja campeão, mas no 2º ano de contrato não o for, como é que fica a situação? Veja-se agora a situação actual, não terá ele possibilidade de ser campeão na próxima época? Para mim tem tanta possibilidade como o treinador que virá!
Veja-se o exemplo dos ingleses em que têm treinadores há anos e nem todos (os anos) foram vitoriosos, mas existe uma cultura a longo prazo. Existe tempo para preparar a equipa para as diferentes provas, há disciplina, entre outras coisas que a nós nos passam ao lado porque era tudo para ontem.
Deram um projecto de 2 anos a QF, mas o certo é que o projecto vai ficar a meio.
Acredito que QF tem potencial para fazer muito melhor e dava-lhe mais uma hipótese para meter a equipa a jogar bem e a conseguir bons resultados. Mas o ambiente está quebrado…

Abraços
..

Carlos Machado Acabado disse...

Amigo "Sou de um Clube":
Começando pela sua última frase/ideia: está mesmo!
Quanto ao resto, repare: eu concordo consigo e com todos quantos defendem que a estabilidade é essencial.
O problema, volto a insistir, é achar o paradigma preciso, correcto, tão ideal quanto possível de estabilidade.
Dizer (como faz agora o Dr. Vital Moreira que o disse ainda não há muito de forma expressa: tão expressa quanto "fácil" para quem está--agora, pelo menos...-ao lado e DO lado do poder...) que "a estabilidade é um valor em si" soa bem mas não quer dizer rigorosamente nada.
É "estável" o Man. United que encontrou uma fórmula de gestão desportiva funcional--e funcionante, digamos assim.
É "estável" o Liverpool pelas mesmíssimas razões.
É-o, ainda, o Arsenal mas aí, porque as "coisas" têm vacilado um pouco já se começam a ouvir murmúrios porque a equipa (lá está!) de vez em quando tropeça...
E o Chelsea?
Não correu com o Avi Não-Sei-Quantos e depois com o Scolari?
A questão-chave é: que clube queremos?
A cultura da estabilidade no futebol britânico (e eu conheço relativamente bem o caso dele porque tenho família em Inglaterra e falamos muito sobre isso, também) é, hoje-por-hoje, sobretudo uma coisa em claríssimo processo de obsolescência: tem a ver com OUTRA Inglaterra futebolística, "pré-industrial", chamemos-lhe assim...
Voltando ao caso português: se SÓ queremos ou se só PODEMOS ter, por exemplo, um Sporting, que afogado em dívidas e juros de dívida, tem de conter-se nas ambições, pois, nese caso, vamos inventar uma cultura de clube onde o 'conformismo' PAREÇA rimar com 'desejo'.
AÍ, sim! AÍ a estabilidade na mediania é um "valor": TEM DE ser!
Que remédio!
Pior, era a "belenensização" total!
Então, nesse quadro, o Paulo Bento é o "maior"!
Mas, se o Sporting fosse hoje o Sporting de há quarenta anos, o tipo de estabilidade que lhe garante o Paulo pura e simplesmente não servia!
Por muito estranho que pareça, eu valorizo a componente de revolta que emerge do "povo benfiquista" e se faz ruidosamente ouvir quando os treinadores não ganham.
Essa é, no fundo, a melhor garantia da vitalidade competitiva e do inconformismo (leia-se da garantia da identidade) do Clube.
No caso do 'Quique', eu aceitava que tivéssemos perdido tudo, se visse a equpa demonstrar automatismos nem que fosse só durante parte dos jogos de modo a que o treinador pudesse, então, com propriedade, dizer: "É AQUILO que eu pretendo mas SEMPRE!"
Quando a equipa, pelo contrário, numa época inteira só tem a dizer em seu favor que jogou bem com o Nápoles, o Marítimo e com o Brga quando já nem pressão havia, é IMPOSSÍVEL aceitar qualquer argumentação de "sucesso", presente ou futuro, por parte desse mesmo treinador.
O meu medo é a "sportinguização" do Benfica, isto é, a aceitação de uma cultura de mediania na forma menor de um desejo e, pior ainda, de um "projecto de futuridade", digamos assim!
Mas eu repito: eu nem gosto nem deixo de gostar do 'Quique'.
Para mim, o 'Quique' ou outro qualquer é um funcionário, um profissional que está obrigado a resultados: a quem pagam para apresentá-los.
Se é capaz disso (de garantir vitórias, boas exibições, solidez competitiva, até apenas exibições prometedoras) é bom.
Serve.
Caso contrário, se o não faz nem fornece indícios de poder vir a fazê-lo, não tem lugar no Clube.
É um "gentleman"?
Sê-lo-á mas também a minha Tia Fortunata o é (uma... "gentlewoman") e eu nunca pensei nela para treinar nem o Santa Clara quanto mais o Benfica!...
É só isso.

Um grande e cordial abraço "vermelho", a si e a todos!

Carlos

Anónimo disse...

Se o Quica for substituido pelo palerma das táticas, podem estar certos que daqui a um ano temos os andrades corruptos a festejar o penta e veremos os Benfiquistas a terem vergonha de se declararem adeptos do Glorioso. Será que ainda estamos a tempo de evitar o abismo?