quinta-feira, 8 de abril de 2010

.... x .

EU SOU BENFIQUISTA
COM MUITO ORGULHO, COM MUITO AMOR

4 comentários:

Scandium disse...

parabéns pela reacção e por não cair no mais fácil que é começar a criticar. infelizmente, já há várias pessoas a fazê-lo por essa blogosfera fora.
força BENFICA

Cirrus disse...

Temos de, acima de tudo, aceitar a superioridade do adversário. Também isso é gostar do futebol. Contudo, o Benfica fez mesmo aquilo que pôde, perante um adversário mais fresco e muito forte.
Olhar para a frente agora, e vamos ganhar ao Zbording para festejarmos o título em Coimbra!

editor69 disse...

NÃO vi o Liverpool superior ao BENFICA a não ser naquilo que conta...marcar golos...e frescura sim...de resto ela por ela...e tivessemos nós Javier Pedro uicabom...mas isso é "ses"...anyway...NUNCA desmoralizar...e quero que os lagartos paguem a factura!

Fdx!

Carlos Machado Acabado disse...

As derrotas NUNCA são boas mas oxalá que, com esta, se aprenda, ao menos, alguma coisa.
Se aprenda que, sem um grande guarda-redes e um grande marcador de golos, não há grandes vitórias.
Com um guarda-redes mediano e um avançado "especial", só há vitórias "especiais"... geralmente não ultrapassando o mediano.
Volto a dizer: o Benfica tem o melhor treinador em Portugal que tem o direito como qualquer outro de errar e eu acredito que ele já percebeu que precisa de reforçar aqueles dois vértices fulcrais da manobra colectiva que são a baliza e a frente de ataque.
Há muito que nomes de guarda-redes vêm sendo falados para o clube e isso pode ser um bom sinal.
Mas não há volta, para já, a dar a isto: a derrota existiu, está "lá", a mim, pessoalmente está-me a custar como tudo digeri-la, não sei honestamente como vou reagir perante o que falta do campeonato em termos de envolvimento emocional com a Equipa.
Se eu achasse natural e não me afectasse, não era benfiquista.
E não acho!
E afecta!
E muito!
Não acho natural, nem fácil de suportar.
Acredito que o treinador e os jogadores passem pelo mesmo estado de espírito e, em qualquer caso, a eles compete transformar aquilo que, para mim, é uma decepção enorme, num estímulo ulterior para se motivarem...
Acredito que o façam mas, queiramo-lo ou não, alguma coisa mudou desde ontem.
Espero que, a prazo, seja possível dizer-se que o que mudou foi apenas no sentido de um maior conhecimento das nossas debilidades próprias a fim de que seja possível eliminá-las.
A ver vamos...